Para quem é fã de cor de rosa e gosta de visitar lugares diferentes, esta é uma rua a não perder na próxima vez que estiverem em Lisboa.

O seu verdadeiro nome é Rua Nova de Carvalho, mas é por Pink Street, ou Rua Cor de Rosa, que é mais conhecida. Fica numa das zonas mais antigas da cidade, junto ao Cais do Sodré, e, embora durante o dia possa parecer calma, à noite é bastante movimentada. Não só por estar muito perto da baixa, mas por ter lá a maioria dos bares, discotecas e esplanadas de Lisboa. Além disso, logo ali ao lado, há o Mercado da Ribeira, cheio de restaurantes. E tudo com ótimos acessos, dado que ali está também a estação do Cais do Sodré, que liga a linha verde do metro ao comboio que vai até Cascais.

A Pink Street de Lisboa é resultado de um projeto de intervenção urbana de 2013, em que o pavimento entre as esplanadas, bares e discotecas foi pintado de rosa. O New York Times chegou mesmo a considerá-la uma das suas 12 ruas preferidas da Europa. E talvez por isso seja tão procurada pelos turistas.

Quando vierem a Lisboa, podem espreitá-la. E é difícil não darem por ela.

Fotografias + Vídeo | Laura Almeida Azevedo
Se queres para ti um vídeo igual ao deste artigo, contacta-me.

Gostas do que leste?

Pinkdialogues perfil04 copy

Para saberes sempre quando um novo artigo é publicado, subscreve a minha newsletter!

Não divulgarei o teu e-mail a ninguém. Powered by ConvertKit
PARTILHAR
Previous article4 contas de Instagram para seguir (se adoras comer fora)
Next articleAntigo por fora, moderno por dentro
Criativa digital. Designer, ilustradora e licenciada em Comunicação. Freelancer. Algarvia de gema a viver em Londres. Fascinada por cores, aromas doces e cidades grandes. Curiosa e uma sarcástica incurável. Autora do site e do livro «Apetece(s)-me», que falam de amor.

2 COMMENTS

  1. Interessante que é este artigo, pois provocou em mim duas reacções completamente distintas, a que me fez espantar pela noção da já longa temporada que não ia a Lisboa e disso não me ter ainda dado conta, tendo o artigo sido para mim e por isso, como se algo tivesse acontecido há mêses, ou mesmo semanas, uma novidade bem fresca digamos assim, quando a obra já tem 5 anos de existência, irra que estou a ficar irremediavelmente demodê”!!!😊…que desagradável constatação!
    A outra sensação, é ainda mais estranha, pois descobri que a história também se pinta, ou seja, essa zona, nos anos 70/80, era a zona negra’ de Lisboa, uma zona proíbida e não recomendada, frequentei-a com bastante assiduidade, pois era na época, o basfond” mais castiço da cidade de Lisboa, onde entre cada porta, encontravam-se os bares para alcoólicos já profissionais, e as discotecas que ainda se intitulavam como boites” de alterne, tais como o Jamaica, na altura o mais famoso pela música que ali se ouvia, um bom e forte rock n’ roll e os lentos reggae’s de Bob Marley, e toda uma frequência bem personalizada pelas profissões de quem o frequentava, artistas de revista, jornalistas, cantores da actualidade, psicólogos, médicos etc, toda uma casta social mais aventurada e mais liberal…e claro, muitos outros vagabundos que ali caíam à procura de uma chance de vida mais imediata, ou de uma conquista mais generosa, que ao longo das noites, nos oferecesse uns copos à borla rsrs.😊
    Ahhh, o pior do ambiente, acontecia sempre que atracava um barco militar estrangeiro, pois a zona’ inundava-se de marujos armados em fortes..ora, a noite, acabava sempre em alta bordoada com polícia em riste…mas cor de rosa, nada se via ou se encontrava, tirando uma lingerie ou outra que se desse a conhecer em troca de poucos $’ou £’s, agora com €’s, o cenário mudou por completo, para melhor espero eu! Obrigado por teres despertado parte de um passado em mim, já quase moribundo rsrs 😊. Abraço.

O QUE ACHAS DESTE ARTIGO?

Escreve o teu comentário
Insere o teu nome aqui