Cartaz © Laura Azevedo + PinkDialogues

Criar um blog pode parecer a decisão mais simples do mundo… Mas quase nunca é. Na verdade, a ideia de se estar a escrever «para o mundo» é até bastante intimidadora.

Após de 3 anos de Apetece(s)-me, 1 ano de plataforma Desafio-te, 4 anos num blog anónimo e uma adolescência inteira a publicar textos em fóruns (até ter o meu primeiro blog em 1998), quero falar-vos dos 11 principais motivos que tornam esta experiência única e enriquecedora.

11 motivos fantásticos para teres um blog

1. Onde é que podes escrever o que te apetece? Num blog! — Um blog é o lugar onde somos livres. E esta é a maior vantagem de todas e a mais imediata. É o nosso espaço, onde podemos escrever o que sentimos, pensamos, as viagens que fazemos, as dificuldades por que passamos, as coisas divertidas que nos acontecem ou até o humor com que encaramos a vida. Não há editores, patrões, prazos. No início, não há sequer um público habituado a um determinado registo da nossa parte — o que, por vezes, é mais limitativo do que um editor ou patrão. E nem é obrigatório dar a cara ou até mesmo o nome. Basta ter algo para partilhar com o mundo.

2. Obriga-te a exercitar a escrita, a tua capacidade de expressão e torna a tua comunicação mais consciente. — Além de um blog nos obrigar a escrever com regularidade, passando a tratar a escrita por «tu», a verdade é que escrever com o objetivo de sermos lidos por pessoas que não conhecemos (e que também nos podem julgar com base no que escrevemos), ou até sobre assuntos delicados, obriga-nos a ponderar cada palavra que utilizamos. Assim, não só exercitamos a nossa capacidade de expressão, como nos tornamos mais conscientes das palavras que escolhemos, do impacto que têm nos outros e das consequências que têm em nós.

3. É um teste à criatividade, podendo impulsioná-la! — Manter um blog é um verdadeiro teste à criatividade. Não só exige que pensemos em temas diversificados, mas também que os abordemos sob várias perspetivas, tentando que cada uma traga algo de novo. Mas um blog não vive apenas de textos. Também vive de imagem, de estratégias de comunicação, de marketing, de branding. E exige inovação constante em todos estes campos, obrigando-nos a pensar fora da caixa, a aprender e criar coisas novas, diariamente.

4. É um meio excelente para divulgares o teu trabalho e talento. — Se tens um talento, podes utilizar o teu blog para promovê-lo. Se escreves contos envolventes, cria um blog de literatura. Se és designer, cria um blog onde partilhas dicas, que destaque pela imagem. Este é o sítio certo para fazeres um brilharete. Não estás a pisar ninguém para o fazer e não dependes de ninguém para pôr os teus conteúdos no ar. Até acertares no teu conteúdo, até o tornares espetacular, podes fazer 300 mil testes — apagar, repetir, experimentar registos e comunicações diferentes. Só depende de ti.

5. Uma vez que estejas no ar, as oportunidades começam a surgir! — Ter um blog não só permite que nos tornemos mais comunicativos, criativos e conscientes, como também nos mostra ao mundo. E, mesmo que o mundo não se manifeste em cada publicação, isso não significa que não esteja atento ao que fazemos. Quando um blog atinge um certo número de leitores/visitantes, as oportunidades começam a surgir — para parcerias, publicar um livro, fazer exposições, escrever noutros sites, trabalhos ou até entrevistas. Estas oportunidades não surgem de repente. Vão surgindo de forma gradual à medida que o blog vai conquistando a sua presença online. E o melhor de tudo? Muitas delas surgem sem que tenhamos de as procurar.

6. Vais conhecer pessoas fantásticas e algumas podem mesmo mudar a tua vida! — Uma das partes mais deliciosas de ter um blog é esta. Expormo-nos pode ser intimidador, mas também permite que os leitores se identifiquem connosco e haja uma proximidade. Com facilidade, no meio do maranhal de seguidores (uns mais atentos e fãs do que outros), encontramos pessoas sensíveis, amigas, que nos leem para lá das palavras, que fazem 150km só para nos darem um abraço, que nos incentivam quando estamos desmotivados. Pessoas que chegam até nós de lágrimas nos olhos, emocionadas, e que nos fazem sentir como se as conhecêssemos desde sempre.

7. É uma companhia. — Quando um blog é levado a sério, com compromisso e empenho, acaba por fazer parte do nosso dia a dia. Faça chuva ou faça sol, estejamos num dia bom ou num menos bom, o blog e as pessoas que o acompanham tornam-se, por vezes, numa constante que nos sabe bem. No meio do caos, da reviravolta, este espaço mantém-se igual. Isso faz-nos sentir em casa e também nos entretém.

8. É teu, só teu e será sempre teu! — Manter um blog nem sempre é fácil. Apesar dos aspetos positivos, há dias em que não apetece criar nada. A inspiração falta. Nessas alturas, equacionamos até acabar com o blog. Depois, percebemos que o motivo que nos leva a querer acabar com ele é o mesmo motivo que nos leva a não o fazer: o facto de ser nosso! Tivemos tanto trabalho para o construir, criar conteúdo novo, cativar leitores. Temos o privilégio de decidir o que nele escrevemos, as parcerias que fazemos, até a cor dos cartazes, as fotografias que escolhemos. E a verdade é que podemos não andar inspirados e estar numa fase em que não lhe ligamos tanto, mas podemos regressar sempre que desejarmos e, por vezes, até termos a sorte de os nossos leitores de sempre continuarem à nossa espera. É também isso que o torna importante: estar sempre disponível para nós.

9. Sem dares por isso, tens uma voz social e podes usá-la! —  Ter um blog pode ser fantástico para quem gosta de reivindicar direitos, partilhar as suas convicções sociais e é líder por natureza. É um sítio acessível para teres uma voz social. Mas a verdade é que, mesmo quando não tomamos partidos de forma clara, estamos sempre a influenciar quem nos lê. Mesmo que seja nas entrelinhas, de forma indireta, aquilo que escrevemos chega aos outros e quem estiver atento a nós, e for sensível a nós, vai identificar-se connosco, vai refletir sobre o que escrevemos, vai querer ajudar quando é preciso e transmitir a nossa mensagem, partilhando-a. Há uma responsabilidade social nisto de dar voz a um blog e, na minha perspetiva, esse é mesmo um dos melhores privilégios em ter um blog.

10. É um espaço onde também podes ganhar dinheiro. — Um blog é um meio tão legitimo como qualquer outro para fazeres dinheiro. Não defendo que se crie um blog com esse intuíto único — e não é pelo objetivo em si, mas porque manter um blog durante anos exige domínio sobre aquilo que escrevemos e, muitas vezes, o objetivo de fazer dinheiro leva a que se crie um blog que nada tem a ver connosco e do qual desistimos em meia dúzia de meses. Mas, se brilharmos no que fazemos e conquistarmos a atenção de um público que se interessa pelo que fazemos, naturalmente surgem oportunidades também financeiras. Além disso, há outras estratégias para fazer dinheiro com um blog (afiliados, AdSense, etc).

11. É uma experiência única e inesquecível. — Acima de qualquer coisa, independentemente do número de leitores que conquistamos, das oportunidades que um blog nos traz, ter um blog pode ser uma experiência fantástica e inesquecível. Só o facto de nele podermos escrever o que queremos e ser o nosso espaço, sem termos de depender de ninguém, faz a experiência valer a pena. Depois, ainda nos obriga a ser e fazer mais, e acaba por ser um passatempo que também nos distrai da vida quando precisamos. Nele, podemos brilhar, conhecer um mundo, sensibilizar outro tanto e aprender muito — connosco e com os outros.

Existem mais do que apenas 11 motivos para se criar um blog. E, acima de tudo, o motivo principal deve ser apenas um: querermos! Mas, por vezes, este parece-nos um argumento demasiado simplista.

Espero que estes meus 11 motivos sirvam de trampolim para quem sente vontade de se aventurar, mas ainda não teve coragem de dar o primeiro passo.

Acima de tudo, a mensagem que quero transmitir é esta: quando utilizado da forma certa, vale tanto, mas tanto a pena!


VAMOS CONVERSAR! — Se tens um blog, partilha connosco os motivos que te levaram a criá-lo e, sobretudo, a mantê-lo. Se não tens nenhum, mas até gostavas de ter, partilha aqui os motivos que te têm impedido de dar esse passo. E, já agora, é ou seria um blog sobre o quê? 🙂

PARTILHAR
Artigo anteriorÉ aqui o meu lugar
Próximo artigoSou apaixonada pelo que é simples

Criativa digital. Designer, ilustradora e licenciada em Comunicação. Freelancer. Algarvia de gema a viver em Londres. Fascinada por cores, aromas doces e cidades grandes. Curiosa e uma sarcástica incurável. Autora do site e do livro «Apetece(s)-me», que falam de amor.

O QUE ACHAS DESTE ARTIGO?

Escreve o teu comentário
Insere o teu nome aqui